Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso site.
Ao utilizar nosso site e suas ferramentas, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Associação Beneficente Criança Cidadã - Política de Privacidade

Esta política estabelece como ocorre o tratamento dos dados pessoais dos visitantes dos sites dos projetos gerenciados pela Associação Beneficente Criança Cidadã.

As informações coletadas de usuários ao preencher formulários inclusos neste site serão utilizadas apenas para fins de comunicação de nossas ações.

O presente site utiliza a tecnologia de cookies, através dos quais não é possível identificar diretamente o usuário. Entretanto, a partir deles é possível saber informações mais generalizadas, como geolocalização, navegador utilizado e se o acesso é por desktop ou mobile, além de identificar outras informações sobre hábitos de navegação.

O usuário tem direito a obter, em relação aos dados tratados pelo nosso site, a qualquer momento, a confirmação do armazenamento desses dados.

O consentimento do usuário titular dos dados será fornecido através do próprio site e seus formulários preenchidos.

De acordo com os termos estabelecidos nesta política, a Associação Beneficente Criança Cidadã não divulgará dados pessoais.

Com o objetivo de garantir maior proteção das informações pessoais que estão no banco de dados, a Associação Beneficente Criança Cidadã implementa medidas contra ameaças físicas e técnicas, a fim de proteger todas as informações pessoais para evitar uso e divulgação não autorizados.

fechar

Orquestra Criança Cidadã reforça aposta no ensino de construção de instrumentos musicais

Mercado de trabalho para luthiers e archetiers permanece em expansão – com ótimas perspectivas em Pernambuco, graças à Escola de Formação de Luthier e Archetier do projeto

11/03/2022 — Coordenação de Comunicação

whatsapp

Além do célebre trabalho de resgate social por meio do ensino musical – missão que a Orquestra Criança Cidadã exerce desde a sua inauguração, em 25 de julho de 2006 –, ela também investe na capacitação de profissionais que constroem instrumentos (mais especificamente os da família dos violinos) e arcos.

A Escola de Formação de Luthier e Archetier entrou em funcionamento em setembro de 2012, desenvolvendo suas atividades em uma oficina que comportava cinco alunos e focava apenas na formação em luteria (construção e manutenção) de violinos.

Em 2021, a Escola passou a ocupar um edifício inteiro na sede da Orquestra Criança Cidadã e a abrigar 48 alunos, além de iniciar o curso de formação em arqueteria – o aprendizado para a construção e manutenção de arcos, que são os suportes feitos de madeira e crina de cavalo que permitem obter o som de instrumentos como violino, viola, violoncelo e contrabaixo.

Os cursos para luthier/lutiê e archetier/arqueteiro têm duração de três anos e seus estudantes recebem fardamento, refeições, assistência psicossocial e outros benefícios gratuitamente.

MERCADO DE TRABALHO
Os luthiers e archetiers podem atuar em três campos de trabalho, basicamente: manutenção (sendo este o primeiro e mais amplo para o exercício de ambas as profissões), construção e restauro.

Os que lidam com construção costumam realizar pequenos reparos em itens de madeira, crina e verniz, incluindo, em grau mais avançado, a abertura e colagem de peças de instrumentos e arcos.

No início da carreira, os jovens luthiers e archetiers costumam investir gradualmente na montagem de suas próprias oficinas, mesmo que em espaços alugados, como é o caso dos monitores Jefferson Lima (luteria) e Irlandi Pereira (arqueteria), residentes na comunidade do Coque.

Eles aplicaram suas economias iniciais na compra das ferramentas, madeiras e vernizes necessários para seu trabalho e conquistaram seus primeiros clientes por meio do Instagram.

Seus professores, Carlos Alberto Filho (luteria) e Claudiano Lozer (arqueteria), também indicam para eles eventuais clientes que requisitam serviços que ambos os docentes não possam absorver, caso estejam com alta demanda.

Jefferson e Irlandi, inclusive, alugaram uma oficina – junto com o professor Carlos Alberto e com os colegas Ícaro Fernandes e Alice Soares – no bairro de Areias, próximo à estação de metrô Santa Luzia.

Carlos Alberto e Claudiano são naturais do interior do Espírito Santo, região de referência em nível mundial pela sua indústria de produção de arcos, confeccionados em pau-brasil e exportados para o exterior.

Além do pau-brasil, outras madeiras de procedência legal podem ser utilizadas para a confecção de arcos, como o ipê, o pau-ferro e a maçaranduba. Já instrumentos como o violino e a viola utilizam como matéria-prima o abeto e o bordo.

COMO INGRESSAR
A Escola de Formação de Luthier e Archetier, que tem patrocínio da Caixa Econômica Federal, é voltada para interessados entre 15 e 18 anos e mantém um formulário permanente de inscrição na home page deste site.

Os currículos serão avaliados sempre que houver vagas disponíveis. A previsão para nova avaliação de seleção é para o mês de junho, com ingresso em julho para os aprovados.

Mais Notícias